A época em que jogávamos no X

29 01 2010

Se você joga video game desde pequeno, provavelmente naquela época, não sabia nada de inglês.
O que fazer então quando um jogo começa a ter uma tsunami de diálogos? Passe-os o mais rápido possível!
Seja o botão 1 do Master System, o botão A do Super Nintendo ou o botão X do Psone, se uma conversa aparecia na tela esses botões eram pressionados na velocidade da luz.
Quem quer saber de história que não pode entender? Queremos jogar!

Hoje, quando isso me veio a mente eu fiquei encucado. Eu gostava (e ainda gosto) muito de jogos de RPG , e na época que ganhei meu Psone eu sabia muito pouco de inglês, só reconhecia palavras soltas simples (cat, dog, milk…), resumindo: eu jogava no X.

Aparecia um diálogo? XXXXXXX
Até quando ia se conversar com um NPC onde você inciava a conversa (chegando na frente dele e puxando assunto) o X predominava.
Sem informações sobre o que fazer o jogo se tornava extremamente difícil, tendo você que adivinhar para onde ir, que item conseguir para entregar para quem e tudo mais. Isso fazia de nós jogadores hardcore! Tinhamos que visitar e re-visitar lugares até alguma cena ou evento acontecer pra nos dizer que estávamos no caminho certo, jogávamos no instinto.

Um amigo me perguntou, “Cara, a gente não entendia nada da história, por quê a gente jogava esses jogos de RPG? Por que a gente se empenhava nisso?”
Ele mesmo, depois de um tempo, respondeu sua própria pergunta: “Para ver os CGS, as animações”

Eu no entanto penso diferente, ainda mais por jogar desde a época do Atari, onde não fazíamos idéia do que viria por ser um CG. Quando eu jogava estes jogos eu modelava a história. As imagens mostradas na tela processavam uma história “fictícia” na minha mente.

Atualmente, quando fui jogar de novo um dos jogos daquela época (Final Fantasy IX), deu pra entender toda a história, que é completamente diferente da imaginada por mim anos atrás, parecia que eu estava jogando outro jogo!

Anúncios